sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Tudo o que é bom acaba depressa



Depois de mais 15 dias no paraíso, chegou a hora de trocar havaianas por sandálias de salto alto, bikinis de lycra por vestidos de seda e protetor solar por eau de parfum.

Vou sentir falta dos banhos de mangueira.
De me borrifar a qualquer hora do dia.

Vou sentir falta de caminhar na praia.
E de recolher os mais variados seixos.

Vou sentir falta de ter fome e ir apanhar figos ao quintal.
Ou uvas.
Ou marmelos.

Vou sentir falta do cão.
E do gato.

Vou sentir falta do tempo que não tem pressa.
De acordar com barulhos do campo.
E de adormecer com barulhos do campo.

Vou sentir falta do mar azul esverdeado.
E da areia lurex, brilhando aos milhões.

Vou sentir falta da palavras férias.
E da palavra sesta.

Vou sentir falta das trinchas, dos martelos, dos escadotes.
Dos gafanhotos, das osgas e das aranhas.

Vou sentir falta do Alentejo.
E da sua costa maravilhosa.



Sem comentários: